O tema da gestão de empresas familiares tem gerado bastante polêmica. Os defensores acreditam que este tipo de organização seja a ideal, já os opositores as acusam de serem um modelo obsoleto.

As vantagens deste tipo de empresa podem ser vistas nitidamente; os membros possuem interesses comuns, existe laços afetivos entre as pessoas, há confiança mútua e autoridade definida e reconhecida, mas, como toda família, as empresas familiares possuem conflitos, e isso pode levar a corporação a correr diversos riscos.

São muitas as causas que explicam a elevada decadência das empresas familiares, muitas delas também são comuns às empresas não familiares. Porém, há riscos específicos para a gestão das empresas familiares. Vamos conhecer os 5 mais comuns:

 

1. Problemas com a sucessão: A saída de um funcionário dentro de uma empresa familiar é uma das tarefas mais difíceis. Por isso, é normalmente adiada, por vezes até ser tarde demais. A falta de ideias novas pode comprometer fatalmente a capacidade de inovação da empresa.

 

2.Falta de capacidade para gerir determinado negócio: a família não dispõe de alguém com experiências específicas para gerar uma empresa, liderar pessoas e projetos. Assim, a falta de gerenciamento da empresa pode levar o percurso da organização a mortalidade

 

3. Confusão entre os laços de afeto e os laços contratuais: Os membros da família têm que mostrar imparcialidade e clareza de visão suficientes para não confundirem os laços familiares com os profissionais. Muitos gestores de empresas familiares não resistem à tentação de seguir um estilo de gestão excessivamente paternalista em relação aos seus empregados. Outros onde a liderança não pode ser contestada em função de respeito familiar

 

4. O conservadorismo do fundador: Associado às necessidades impostas pela globalização e pela competitividade, o conservadorismo tente a ser pouco propenso a mudanças radicais, em particular, as relativas ao rompimento com a cultura e os hábitos de trabalho enraizados, isso impede que as decisões sejam mais ágeis e dinâmicas na empresa, fazendo-a perder espaço no mercado

 

5. Planejamento financeiro: Um erro que jamais deve ser cometido em uma empresa familiar é priorizar a família e depois a empresa. O objetivo de enriquecimento familiar é anterior ao plano de crescimento da empresa e isso, com certeza, leva a empresa a se afundar em dívidas e paralisar o crescimento.

people at office

 

Dirigir uma família é saber lidar com toda a complexidade das relações afetivas e financeiras. Não sendo bem administrados, podem levar a grandes conflitos e no mundo corporativo, ao fim da empresa.

 

Leia os Casos reais de sucesso pós fracasso.